domingo, 21 de julho de 2019

Tino Gomes - Saudação - 1983 (Repostagem a pedido)


Faixas:

01 - Saudação - Tino Gomes
02 - Montesclareou - Tino Gomes - Georgino Jr
03 - Catopés,Marujos,Caboclinhos (Folclore norte mineiro)adapt Tino Gomes
04 - Dezermbro - Tino Gomes - Ivan Lins
05 - Terno de São Benedito - Tino Gomes - Georgino J. Eduardo Lima
06 - Canto Americano - Tino Gomes - Georgino Jr. Tico Lopes
07 - Campanário - Tino Gomes - Georgino Jr. Tico Lopes
08 - Trem de Volta - Tino Gomes - Georgino Jr
09 - Para Jaorge,Um Brasileiro - Tino Gomes - Valmir Melancolia
10 - Barra do Mangaí - Tino Gomes - Zé Arlem - Tião

Estação Itaú de Minas



domingo, 14 de julho de 2019

Claudio Guimarães - 1981 - Meu Irmão Toca Na Sinfônica (Exclusivo e inédito)



Mais uma grande contribuição do nosso "passageiro" e colaborador  Raul Boeira.
Foi um dos fundadores da Sombras, juntamente com Hermínio Bello de Carvalho, Guarabyra, Jards Macalé, Paulinho da Viola, Victor Martins, Aldir Blanc, Joyce, o advogado Pedrylvio Francisco Guimarães Ferreira, Sérgio Ricardo, Mauricio Tapajós, Chico Buarque de Holanda, Ivan Lins e Antônio Carlos Jobim, entre outros, ocupando, entre 1974 e 1976, o cargo de secretário geral da primeira sociedade civil formada por músicos e compositores, com a finalidade de mudar o quadro do Direito Autoral brasileiro. 

Foi Presidente do 1º Encontro Nacional dos Músicos, realizado nas dependências do Colégio Bennett, no Rio de Janeiro. 

Como diretor artístico, foi responsável pelos discos "Carlinhos Vergueiro" (15 anos de carreira), "Tributo a Garoto" (Radamés Gnatalli e Rafael Rabello), "Boca Livre" e "Tão perto, tão longe" (Pedrinho Amui).

Compôs trilhas sonoras para o filme "Quem é Beta?", de Nelson Pereira dos Santos, e para as peças "Gracias Señor", do Grupo Oficina Brasil, "No país dos Prequetés", de Ana Maria Machado, e "Isadora e Oswald", de Aguinaldo Silva. 

Gravou seu trabalho solo em dois CDs lançados pela Combo Music : "Meu irmão toca na Sinfônica" (1981), ganhador do Troféu Chiquinha Gonzaga, em 1983, e "Se demorar eu espero" (1995). 

Participou do Free Jazz Festival em 1987 (Guilherme Vergueiro - Quinteto) e 1989 (Nana Caymmi - Quarteto).

Em 1991, participou do Rio Show Festival (Família Caymmi e Família Jobim) e, em 1992, do São Paulo Show Festival (Nana Caymmi e Ivan Lins). 

Em 1993, participou da gravação ao vivo do show "Som da Terra" (Nivaldo Ornellas Quinteto e Wagner Tiso Trio com Cello Ensemble).

Inaugurou, em junho de 1997, na Escuela Moderna de Santiago, a série Conciertos Chilenobrasileños, com Marinho Boffa (piano), Pablo Lecaros (baixo) e Alejandro Espinoza (bateria). Ainda nesse ano, participou, como artista convidado, do 8º Festival Internacional de Música "El Hatillo", realizado na cidade de Caracas (Venezuela). 

Em 1998, participou da trilha musical de "Uma aventura do Zico", filme de Antonio Carlos da Fontoura, com produção de Luís Carlos Barreto. Nesse mesmo ano, apresentou-se com seu quarteto, formado por Fernando Moraes (piano), Luíz Alves (contrabaixo) e Ricardo Costa (bateria) no auditório do BNDES.

Trabalhou no projeto "Tom da Mata", da Fundação Roberto Marinho e Jobim Music , formatando e simplificando as partituras originais do Maestro. 

Em 2000, finalizou o CD "Cateretê" de Nelson Angelo, uma produção Combo/NAC, lançado no dia 25 de março em Belo Horizonte. 

Integrou, convidado pela Jobim Music, a equipe de colaboradores que escreveram as partituras remanescentes da obra completa do Maestro Antônio Carlos Jobim até o ano de 2001. 

Em julho de 2000, finalizou o CD "Burgos de Mauá", do solista e violonista Marcus Llerena, um trabalho que reúne quarenta canções do século 16, originariamente escritas para alaúde, lançado pela Combo Music.

Faixas:
01 - Parati
02 - Daquele Jeito 
03 - Vem Pra Rede
04 - Brooklyn Heights
05 - Tipo Ideal
06 - Mar Azul 
07 - Belenzinho




Yamandu Costa - Ao Vivo No Cine Teatro Pampa - Passo Fundo Rs Abril, 2003 - Inédito e Exclusivo TDM

Outra contribuição fantástica do nosso "passageiro" Raul Boeira
Áudio capturado por ele mesmo durante uma apresentação do artista em sua cidade natal
Passo Fundo - RS em abril de 2003
Documento sonoro inédito.


EMBARQUE NESSE TREM AQUI!

terça-feira, 9 de julho de 2019

Sueli Costa - Louça Fina -1979 (Atendendo ao pedido do nosso "passageiro Raul Boeira)


Faixas:
01 - Para os meninos de Nicarágua
      (Sueli Costa - Paulo Emílio - Aldir Blanc)
02 - Louça fina
      (Sueli Costa - Abel Silva)
03 - Sabe de mim
      (Sueli Costa)
04 - Alegria e a dor (Tesouros da juventude)
      (Sueli Costa - Abel Silva)
05 - Uma vida em segredo
      (Sueli Costa - Abel Silva)
06 - Esperar eu não sei
      (Sueli Costa - Abel Silva)
07 - Flecha ligeira
      (Sueli Costa - Tite de Lemos)
08 - Segredo quebrado
      (Sueli Costa - Paulo César Pinheiro)
09 - Primeiro jornal
      (Sueli Costa - Abel Silva)
10 - Altos e baixos
      (Sueli Costa - Aldir Blanc)
11 - Jura secreta
      (Sueli Costa - Abel Silva)
12 - O inocente
      (Sueli Costa - Tite de Lemos)

EMBARQUE NESSE TREM AQUI!




quarta-feira, 26 de junho de 2019

Raul Boeira - Cada Qual Com Seu Espanto - 2016


Faixas:
01 - Iniciação
02 - Na Pausa
03 - No Fundo do Topo
04 - Meu Rio
05 - Vamos
06 - Aos Que Chegam
07- O Poema Dentro da Casca
08 - Ventos
09 - A Cidade Sumiu 
10 - Meio Aéreo
11 - Complexo de épico II
12 - Povaréu
13 - Funk a Contrapelo
EMBARQUE NESSE TREM AQUI!

Agradeço ao belíssimo Cd gentilmente enviado pelo grande  compositor,violonista e cantor  Raul Boeira,no qual me autorizou a postagem do mesmo.
Começou a compor no final dos anos 1970 e tem mais de 150 canções de sua autoria, algumas em parceira com Alegre Corrêa, Marcelo Onofri, Mario Falcão, Leonardo Ribeiro, Itamar Arnold e Ricardo Pacheco, entre outros.


Lançou, em 2010, o CD “Raul Boeira volume um”, contendo suas composições “Negro coração” e “Clariô”, ambas com Alegre Corrêa, “Com o azul nos olhos” (c/ Mário Falcão), “O poder da benzedura”, “Oferenda”, “Doutor Cipó”, “Na beira do rio”, “Pro pandeiro não cair”, “Minha reza”, “Castelhana”, “Tataravô” e “Laranjeira”. Com direção musical e produção de Dudu Trentin, o disco, gravado no estúdio Nas Nuvens, no Rio de Janeiro, em 2008, contou com a participação dos guitarristas Ricardo Silveira, Lula Galvão, Celso Fonseca, Torcuato Mariano, Fernando Caneca, João Gaspar e Julio Herrlein, dos baixistas André Vasconcellos e André Rodrigues, do baterista Alexandre Fonseca, dos percussionistas Sidinho Moreira e Firmino, do flautista Marcelo Martins, do violinista Glauco Fernandes e do acordeonista Léo Brandão, e ainda com a participação da cantora carioca Barbara Mendes em uma faixa. Atuaram como backing vocals Juliano Cortuah, Nina Pancevski e Lu Duque.



domingo, 2 de junho de 2019

Jerônimo Jardim - 1979 - (Vinil exclusividade TDM)


Nos anos 1970, mudou-se para Porto Alegre (RS), onde iniciou sua carreira artística, além de ter atuado também como publicitário. 


Em 1971, realizou, nessa cidade, com seu parceiro Luis Coronel, o show "Rio Grande do Som", que contou com a participação de outros compositores e intérpretes gaúchos. 

De 1973 a 1977, integrou, juntamente com Ivaldo Roque, Loma, Ioli e Tenison Ramos, o Grupo Pentagrama, com o qual classificou em 3º lugar, na III Califórnia da Canção Nativa de Uruguaiana, sua música "Cobra Luz" (c/ Ivaldo Roque). Também com o conjunto, gravou um LP produzido por Ayrton dos Anjos para a gravadora Continental. 

Apresentou, em 1977, em Porto Alegre, o show "Suor e Sal". 

No ano seguinte, lançou seu primeiro disco solo, "Jerônimo Jardim", que contou com direção musical de Geraldo Flach e produção musical de Sepé Tiaraju de los Santos, para a recém-inaugurada gravadora gaúcha Isaec. Ainda em 1978, apresentou o show "Gira da Canja", com direção musical de Toneco da Costa.

Em 1979, sua canção "Moda de sangue" (c/ Ivaldo Roque) foi gravada por Elis Regina e incluída na trilha sonora da novela "Coração alado" (TV Globo). 

Em 1980, transferiu-se para o Rio de Janeiro, onde trabalhou como cantor de coro na Sonora, produtora de jingles de Júlio Hungria. 

No ano seguinte, venceu o Festival MPB Shell, da Rede Globo de Televisão, com sua música "Purpurina", defendida por Lucinha Lins. 

Em 1982, gravou um compacto simples, produzido por Ivan Lins e Artur Laranjeira, para a Gravadora PolyGram. Ainda nesse ano, defendeu sua canção "Vento e pó", no MPB Shell. 

Em 1984, decidiu retornar para Porto Alegre, onde gravou, no ano seguinte, o disco "Terceiro sinal", produzido por Ayrton dos Anjos para o selo RBS/Som Livre, apresentando-se, em seguida, em diversos espaços gaúchos, acompanhado pelo músico Pedrinho Figueiredo. Ainda em 1984, venceu a XV Califórnia da Canção Nativa de Uruguaiana. Hostilizado pela platéia, retirou-se dos palcos por 11 anos. Durante esse período, retornou à publicidade e, depois, à advocacia, tendo lecionado a disciplina Direito do Trabalho em 1989, após aprovação em concurso público, na faculdade em que se bacharelou. 

Publicou cinco livros infanto-juvenis: "Cri-Cri, o grilo gaudério" (Editora Tchê), "O Clube da Biblioteca contra a Bruxa Pestiléia" (Editora Vozes), "A revolta dos pincéis" (Editora Vozes), "Titinho e os tênis mágicos" (Editora LP&M) e "Sob fogo cruzado" (Editora LP&M).

Em 1996, apresentou-se, sem concorrer, em mais uma edição da Califórnia da Canção de Uruguaiana. Durante grande parte da apresentação de sua canção "Astro haragano", vaiada 11 anos antes, foi aplaudido de pé por uma platéia de cerca de quatro mil pessoas.

No ano seguinte, lançou o disco "Digitais", pelo selo RBS/RGE, também com produção musical de Ayrton dos Anjos. 

Em 2000, inaugurou o selo gaúcho Virtual Musix, mais uma vez produzido por Ayrton dos Anjos, com o lançamento do CD "Estação", que contou com a participação dos músicos Toneco da Costa e Pedrinho Figueiredo. 

Lançou, em 2003, o CD "Quando a noite vem".

Entre seus parceiros mais constantes, destacam-se Ivaldo Roque, Geraldo Flach, Luis Coronel, Raul Ellwanger, Nana Chaves, Paulinho Tapajós, Toneco da Costa, Bebeco Jardim, Jaime Vaz Brasil, Peri Souza, Antônio Carlos Machado e Sérgio Napp.

Constam da relação dos intérpretes de suas composições artistas como Elis Regina, Lucinha Lins, Paulinho Tapajós, Lúcia Helena, Suzana Bello, Flora Almeida, Loma, Muni, Victor Hugo, Neto Fagundes, Leopoldo Rassier, Cenair Maicá, Peri Souza, Raul Ellwanger, Grupo Quero-Quero, Ângela Jobim, Greiceh Monrelli, Henrique Mann e João de Almeida Neto. Lançou, em 2011, o CD “De viva voz”, contendo suas composições “Cartas digitais” e “Lenha na fogueira (L`huile sur le feau)”, ambas com Clair Jardim, “Sinto muito” (c/ Greice Morelli), “O amor é assim” (c/ Luiz Coronel), “Amsterdã” (c/ Timóteo Lopes), “Violão, meu violão”, “Minha nega”, “Perdoar”, “Cama desfeita”, “É isso aí”, “Se eu tô na boa”, “Não há mais chão” e a faixa-título, além de “Acordei em Madureira” (Ciro Vaz e José Ducos).


Créditos:http://dicionariompb.com.br


Faixas:
01 - Elas por elas (Jerônimo Jardim-Ivaldo Roque)
 02 - Moda de sangue (Ivaldo Roque-Jerônimo Jardim)
03 - Baionga (Jerônimo Jardim)
04 - Louca timidez (Toneco-Jerônimo Jardim)
05 - Rede de tênis (Toneco-Jerônimo Jardim)
06 - Nó na garganta (Jerônimo Jardim-Bebeto Jardim)
07 - Tenha pena (Jerônimo Jardim)
08 - Palavra de cão (Jerônimo Jardim)
09 - Avenida Sete (Jerônimo Jardim)
10 - Sementes de pedra (Geraldo Flach-Kenelmo A.Alves)
11 - Sádica campeira (Jerônimo Jardim-Bebeto Jardim)
12 - Náufrago (Jerônimo Jardim)


EMBARQUE NESSE TREM AQUI!


domingo, 7 de abril de 2019

Fernanda Cunha - Olhos de Mar - 2015 (exclusividade TDM)


Faixas:
01 - Dando um Tempo (Carlinhos Vergueiro)
02 - Olhos De Mar (Cristóvão Bastos – Nelson Wellington)
03 - Amor e Nada Mais (Denilson Santos)
04 - Floresta Azul (Antonio Adolfo – Zé Jorge)
05 - Manhã Mineira (Filó Machado – Judith de Souza)
06 - Naquele Outono (Telma Costa – Tite de Lemos)
07 - Saudade De Você (Reg Schwager – Fernanda Cunha)
08 - Verão (Daniel Gonzaga)
09 - Misteriosa (Carlinhos Vergueiro)
10 - Pode Ser Que Eu Fique Dessa Vez (Reg Schwager – Fernanda Cunha)

EMBARQUE NESSE TREM AQU!